A importância do alcalinizante no tratamento de água

A importância do alcalinizante no tratamento de água

Tempo de leitura: 4 minutos

5
(1)

Quando a alcalinidade natural da água não for suficiente (deve-se sempre primar por esta condição) para reagir com a quantidade requerida de coagulante de forma atingir o nível desejado de clarificação , torna-se necessária a adição de alcalinizante ao processo de tratamento de água para promover a coagulação.

Aqui, você conhecerá os principais alcalinizantes do mercado, suas características, vantagens e desvantagens.

Vamos lá?!

1. Cal Virgem (CaO – óxido de cálcio)

Produzida pelo aquecimento do carbonato de cálcio (calcário):

CaCO3 →CaO +CO2

A cal virgem é comercializada aglomerada em blocos, granulada ou na forma de pó.

É material cáustico, irritando fortemente a pele e as mucosas.

Sua poeira causas problemas sérios nas vias respiratórias, exigindo, portanto, equipamentos de segurança adequados para o seu manuseio.

A cal virgem quando exposta ao ar combina-se com a umidade deste, em uma reação que provoca grande liberação de calor, formando hidróxido, que por sua vez, combina-se com CO2 do ar formando carbonato.

a) CaO + H2O → Ca(OH)2 (hidratação ou extinção)
umidade

b) Ca(OH)2 + CO2 → CaCO3 + H2O

A proteção da cal virgem durante o transporte e o armazenamento contra a umidade ou com água, é fundamental para garantir sua qualidade e para evitar a ocorrência de acidentes provocados pela elevação da temperatura.

Esta elevação pode atingir valores suficientes para provocar incêndio em materiais combustíveis.

Não devem ser usados estrados de madeira para suportar a cal virgem contida em sacarias, por serem combustíveis.

A cal virgem dificilmente é usada limitando-se a sistemas de grande vazão devido aos problemas de manuseio e a necessidade de promover a extinção para a geração do leite de cal o hidróxidro de cálcio em solução para ser aplicado ao processo de tratamento de água.

2. Cal Hidratada (Ca(OH)2 – Hidróxido de cálcio)

Produto de reação entre a cal virgem (CaO) e a água.

A cal aplicada à água é sempre a cal hidratada. Quando se adquire a cal virgem, a aplicação é precedida da hidratação-extinção.

A cal hidratada apresenta-se na forma de pó, quando a hidratação se efetua em instalações adequadas para a produção deste tipo de material.

Quando a extinção é feita na própria ETA, não há interesse na produção de cal em pó, formando-se uma pasta ou uma suspensão concentrada.

Seu peso específico varia de 420 a 1100 kg/m2 e o teor de óxido de cálcio deve ser superior a 68%.

A cal hidratada não exige os cuidados preconizados para a cal virgem no que diz respeito ao contato com a água.

Mas, da mesma forma que a cal virgem, irrita a pele e as mucosas.

Esse problema é agravado pelo fato de ser um material pulverulento muito fino, com baixo peso específico, produzindo grande quantidade de poeira ao ser movimentado.

Pode ser fornecida embalada em sacos multifolhados de papel, devendo ser armazenada em local coberto, em dependência isolada da ETA por portas, para que a poeira da cal não prejudique as demais instalações.

Preparo da Solução

A cal hidratada é pouco solúvel, de maneira que em geral se utiliza a suspensão com concentração em torno de 10%.

O cálculo para se determinar a massa necessária é semelhante ao do sulfato.

O tanque para o preparo da suspensão de cal deve possuir agitadores de modo a evitar a sedimentação do produto e tampa para evitar a propagação da poeira de cal durante a sua dispersão.

A presença de um sistema de exaustão seria muito conveniente. Utilizar EPIs.

Existe disponível  no mercado o hidróxido de cálcio em solução.

3. Barrilha ou Soda (Na2CO3 – carbonato de sódio)

Apresenta-se como um pó branco, com um máximo de 2% de impurezas e peso específico variando entre 370 a 1500 kg/m3.

Dissolve-se facilmente na água, alcançando concentrações de 10% a temperatura ambiente.

É fornecida a granel, em sacos ou tambores.

Mas não é corrosivo, podendo ser armazenada em silos de concreto ou de aço, ou sobre concreto.

A solução pode ser armazenada em tanques de concreto ou de aço, sem qualquer revestimento.

Apresenta problemas de poeira e sendo cáustica, seu manuseio exige proteção pessoal com roupas especiais, luvas e máscaras para olhos com filtros para respiração.

É um produto de custo mais elevado que a cal, mas é uma boa opção quando o uso da cal apresenta problemas.

4. Soda cáustica (NaOH – hidróxido de sódio)           

É fornecida normalmente em solução concentrada que tende a se cristalizar quando sua temperatura se reduz.

Para evitar que isso ocorra, seu tanque de armazenamento pode ser isolado termicamente ou aquecida.

Quando se utiliza soda em escamas, esta é dissolvida assim que chega na ETA, sendo armazenada em solução.

Então a dissolução deve ser feita com cuidado, porque durante o processo ocorre liberação de grande quantidade de calor.

Possui custo muito superior ao da cal e da barrilha e exige maior cuidado no manuseio e requer registro de sua aplicação na Polícia Federal.

Gostou desse artigo? Não esqueça de compartilhar!

O que você achou do post?

Avalie-nos

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *