Tratamento de Efluentes

5 (2)"> Para que serve o Jar Test e como usar?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (2)</span></span>

Para que serve o Jar Test e como usar? 5 (2)

3 minutos Certamente já ouviu falar sobre ele correto? Mas mesmo operando uma estação de tratamento nunca utilizou ou utiliza pouco, ou ainda tem dúvidas de como ele pode te ajudar na condução do processo? Então leia até o fim! O que é Jar Test? Para que serve e como usá-lo na sua ETE? Você como tantos outros colegas já se deparou com problemas de sedimentabilidade do lodo, coagulação-floculação ineficientes ou coisas do tipo que lhe deixaram transtornado. Pois é, esse tal Jar Test Leia mais

5 (1)"> 4 Dúvidas comuns sobre o programa de capacitação em tratamento de efluentes<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

4 Dúvidas comuns sobre o programa de capacitação em tratamento de efluentes 5 (1)

7 minutos Você sabia que um dos maiores desafios do setor de saneamento e meio ambiente é encontrar profissionais qualificados? Segundo o plano nacional de saneamento lançado em 2014, o custo para universalizar os quatro serviços (água, esgoto, resíduos e drenagem) é de R$ 508 bilhões entre 2014 e 2033. Já para a universalização de água e esgoto, o custo será de R$ 303 bilhões. Mas não basta construir uma estação de tratamento de água e esgoto por exemplo se não temos profissionais capacitados Leia mais

5 (3)"> 4 motivos pelos quais sua ETE apresenta perda de sólidos e queda de eficiência<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

4 motivos pelos quais sua ETE apresenta perda de sólidos e queda de eficiência 5 (3)

5 minutos O pesadelo do time em uma planta de tratamento de efluentes é se deparar do dia para a noite com uma situação como essa: perda de sólidos no decantador secundário, e olha, já vamos logo avisando que de nada adianta “bater uma água” na superfície para tentar limpar ou conter a situação, é como chover no molhado. Embora o processo de lodos ativados seja de extraordinária eficiência, problemas existem desde da sua criação, há mais de cem anos. Então vamos direto ao Leia mais

5 (1)"> Estabelecendo paradigmas e novas percepções na operação de ETE’s<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Estabelecendo paradigmas e novas percepções na operação de ETE’s 5 (1)

2 minutos Tentativa e erro é um método de resolução de problemas, mas não é o único.E já falamos sobre isso! Conheça aqui o guia de solução de problema em tratamento de efluentes que elaboramos para te ajudar no desafio do dia a dia operacional! Estabelecendo paradigma É um termo de origem grega, “parádeigma”, que significa modelo ou padrão. Num sentido mais amplo corresponde a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação. São as normas orientadoras de Leia mais

5 (1)"> Livros sobre tratamento de efluentes que não podem faltar na sua ETE<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Livros sobre tratamento de efluentes que não podem faltar na sua ETE 5 (1)

5 minutos Ler um post, baixar um e-book já fazem parte do nosso cotidiano, e até ajudam muito nessa rotina alucinante e sem tempo na qual todos nós vivemos. Mas há momentos em que necessitamos de conteúdo mais denso, menos superficial e não há como escapar dos velhos e bons livros, em tratamento de efluentes temos excelentes opções, leitura obrigatória para qualquer profissional que se aventure na vida de herói do saneamento! Que tal aproveitar o momento e colocar alguns deles na sua “lista Leia mais

5 (1)"> 5 Passos para solução de problemas no seu processo de tratamento de água ou efluentes<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

5 Passos para solução de problemas no seu processo de tratamento de água ou efluentes 5 (1)

3 minutos Tentativa e erro não é definitivamente a única forma de solução de problemas! A maneira mais econômica para atingir os objetivos de desempenho nos processos de tratamento de água ou efluentes é adotar boas técnicas de solução de problemas. E para isso, o  diagnóstico correto é imprescindível. 1. Os passos principais Reconhecer que existe um problema; Atribuir prioridades para garantir que cada problema receba atenção adequada; Reunir dados da planta e do processo de forma a estabelecer um histórico; Encontrar a causa Leia mais

5 (1)"> Você sabe qual a finalidade do tratamento preliminar em uma ETE?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Você sabe qual a finalidade do tratamento preliminar em uma ETE? 5 (1)

5 minutos Primeiramente, vamos definir o que é o tratamento preliminar: Tratamento Preliminar de Efluentes é a primeira etapa do tratamento cuja finalidade é a remoção de sólidos grosseiros e areia, a fim de que estes não danifiquem as tubulações e os sistemas de bombeamento, protegendo portanto, as próximas etapas do processo. Os mecanismos básicos de remoção são de ordem física, sendo que o fluxo típico do esgoto nesse nível de tratamento corresponde basicamente à passagem do efluente em uma grade, peneira, em um Leia mais

5 (1)"> Tecnologias para tratamento de efluentes, como escolher a mais adequada?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Tecnologias para tratamento de efluentes, como escolher a mais adequada? 5 (1)

2 minutos Existem diversas tecnologias para tratamento de efluentes e você sabe qual é a melhor? Simples! A melhor tecnologia de tratamento será aquela que melhor compatibilizar-se com os condicionantes e critérios do contexto sócio-ambiental, técnico e econômico de aplicação. É possível classificá-las em diferentes grupos: sistemas passivos e intensivos, biológicos ou físico-químicos, compactos ou extensivos,  naturais ou mecanizados são algumas das divisões possíveis. Para a escolha da melhor tecnologia para tratamento de efluentes, devemos estudar os seguintes fatores: características do efluente a ser Leia mais

5 (3)"> 12 parâmetros relacionados ao tratamento de efluentes que você precisa conhecer<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

12 parâmetros relacionados ao tratamento de efluentes que você precisa conhecer 5 (3)

7 minutos Quais os parâmetros no tratamento de efluentes que você conhece?  Veja as variáveis mais importantes e utilizadas no processo de tratamento de efluentes: 1. DBO – Demanda Bioquímica de Oxigênio Retrata a quantidade de oxigênio requerida para estabilizar, através de processos bioquímicos, a matéria orgânica carbonácea. É uma indicação indireta, portanto, do carbono orgânico biodegradável. As principais vantagens do teste da DBO: Indicação aproximada da fração biodegradável do despejo; Indicação da taxa de degradação do despejo; Indicação da taxa de consumo de Leia mais

5 (3)"> Processamento de lodos de ETE’s em 4 passos<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

Processamento de lodos de ETE’s em 4 passos 5 (3)

2 minutos O grande desafio atual, o que fazer com o resíduo sólido gerado nas ETE’s? O tratamento e disposição do lodo são fundamentais no tratamento biológico dos efluentes, pois eles geram lodos na forma de uma suspensão de flocos e dependendo da natureza e origem dos sólidos, distingue-se lodo primário e lodo secundário. O lodo primário é gerado a partir da sedimentação de material particulado do afluente. O lodo secundário ou biológico é gerado no reator biológico do sistema de tratamento, constituindo-se em Leia mais