5 (3)"> Caixa de areia: como essa etapa pode impactar drasticamente no custo do tratamento de efluentes?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

Caixa de areia: como essa etapa pode impactar drasticamente no custo do tratamento de efluentes? 5 (3)

8 minutos Nem sempre damos a devida atenção a uma etapa de tratamento que é primordial e influencia no desempenho global do sistema e no custo: tratamento preliminar. E dentro da etapa preliminar o processo de remoção de areia, que além de importantíssimo reduz o custo do tratamento, quer saber como? Então vamos lá! Caixa de areia ou canal desarenador é via de regra o segundo processo unitário no tratamento preliminar de efluentes e destina-se a remover partículas inorgânicas suspensas, como matéria arenosa. Isso Leia mais

5 (3)"> Odor na ETE, como lidar com esse incômodo? <span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

Odor na ETE, como lidar com esse incômodo?  5 (3)

3 minutos Antes de tratarmos sobre esse assunto, é válido ressaltar que plantas bem projetadas e bem operadas tem esse incomodo mitigado. Posto isso, agora sim vamos a questão do odor!  Ah, antes é bom lembrar que odor não é um problema até os vizinhos reclamarem! Assim, o controle de odor é um fator importante que afeta não só o desempenho da ETE como também  a relação com a comunidade.  Os odores provenientes de estações de tratamento de efluentes, principalmente os domésticos, podem ser Leia mais

5 (4)"> Tratamento Terciário e a Desinfecção em Efluentes <span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (4)</span></span>

Tratamento Terciário e a Desinfecção em Efluentes  5 (4)

7 minutos Nem sempre contemplado em todos os sistemas, mas importante etapa complementar, o tratamento terciário dos efluentes visa reduzir ainda mais os orgânicos, nutrientes, turbidez, os metais e os patógenos. O foco aqui é o “polimento” desse despejo.   Quer entender como tudo isso funciona? Então vamos lá!  A maioria dos processos terciários envolve algum tipo de tratamento físico-químico, como coagulação, filtração, adsorção com carvão ativado, osmose reversa e desinfecção.  Esses tratamentos terciários podem incluir diversas etapas que vão depender do tipo de poluição do Leia mais

4.6 (5)"> Lagoas de estabilização: vantagens e desvantagens<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--half-highlight js-rmp-replace-half-star"></i> <span>4.6 (5)</span></span>

Lagoas de estabilização: vantagens e desvantagens 4.6 (5)

9 minutos Um acaso que deu certo, funcionou e ainda funciona bem em muitas situações! As lagoas de estabilização. A origem  Certamente você nunca imaginou que um processo de tratamento de efluentes tenha sido concebido por obra do acaso.  Sim, de origem acidental as primeiras lagoas de estabilização surgiram em 1924 na Califórnia e 1928 na Dakota do Norte.  Há séculos, existem lagoas naturais ou artificiais, de origem acidental, que recebem despejos e realizam fenômeno de depuração dos efluentes.  No caso de Santa Rosa Leia mais

5 (5)"> O processo de equalização no tratamento de efluentes<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (5)</span></span>

O processo de equalização no tratamento de efluentes 5 (5)

9 minutos Como superar os problemas operacionais advindos das variações que são observadas na vazão e nas características físico químicas na maioria dos efluentes líquidos, principalmente os industriais? Com um tanque de equalização isso é possível!  Fornecer vazão e cargas regulares para um processo é importante para manter a boa performance do tratamento.  Embora seja comum estações de tratamento de efluentes domésticos receberem cargas hidráulicas e orgânicas muito estáveis, outros sistemas enfrentam grandes oscilações diariamente.  As bacias ou tanques de equalização (EQ) são projetados para amortecer Leia mais

5 (1)"> Tudo o que você precisa saber sobre polímeros e outros coadjuvantes de floculação<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Tudo o que você precisa saber sobre polímeros e outros coadjuvantes de floculação 5 (1)

3 minutos Durante nossa rotina no tratamento de água, podemos nos deparar com um dos principais problemas encontrados nas ETA’s: a má floculação! Neste artigo, você conhecerá os principais auxiliares de floculação do mercado, suas características, vantagens e desvantagens. Os polímeros atuam como nos núcleos de floculação, produzindo flocos mais densos, facilmente sedimentáveis. Também conhecidos como auxiliares de floculação, são cadeias sintéticas compostas pela união de centenas de moléculas menores, chamadas de monômeros. Podem ter caráter catiônico, aniônico ou não-iônico. A função principal do Leia mais

5 (1)"> A importância do alcalinizante no tratamento de água<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

A importância do alcalinizante no tratamento de água 5 (1)

4 minutos Quando a alcalinidade natural da água não for suficiente (deve-se sempre primar por esta condição) para reagir com a quantidade requerida de coagulante de forma atingir o nível desejado de clarificação , torna-se necessária a adição de alcalinizante ao processo de tratamento de água para promover a coagulação. Aqui, você conhecerá os principais alcalinizantes do mercado, suas características, vantagens e desvantagens. Vamos lá?! 1. Cal Virgem (CaO – óxido de cálcio) Produzida pelo aquecimento do carbonato de cálcio (calcário): CaCO3 →CaO +CO2 Leia mais

5 (1)"> Entenda o que é coagulante e qual sua função no tratamento de água<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Entenda o que é coagulante e qual sua função no tratamento de água 5 (1)

11 minutos Provavelmente em seu processo, você já se deparou com problemas de má sedimentação e, consequentemente arraste de sólidos, ocasionado por um coagulante ou floculante inadequado para aquele tipo de tratamento. Neste artigo, você conhecerá os principais coagulantes aplicados no processo de tratamento de água disponíveis no mercado, suas características, vantagens e desvantagens, que ajudarão você a escolher o melhor químico para o seu processo. Mas antes de falamos sobre coagulantes, vale um lembrete, no mercado existem diversas opções de insumos químicos, não Leia mais

5 (1)"> Decantação: como monitorar esse processo?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Decantação: como monitorar esse processo? 5 (1)

4 minutos Você já deve ter vivenciado no dia a dia, problemas de sedimentabilidade no decantador. Sabia que existem cálculos que podem te auxiliar na melhoraria deste processo tão importante, para que se tenha um excelente resultado em sua ETA? Água tratada sem arraste de sólidos e com baixa turbidez! Vamos lá? A decantação ou sedimentação é o fenômeno físico em que as partículas em suspensão apresentam movimentos descendentes em meio líquido de menor massa específica devido à ação da gravidade. A ocorrência da Leia mais

5 (1)"> Tudo que você precisa saber sobre câmara de mistura no tratamento de água<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Tudo que você precisa saber sobre câmara de mistura no tratamento de água 5 (1)

6 minutos O processo de coagulação, floculação se inicia na câmara de mistura rápida. O objetivo da câmara de mistura  é criar condições para que em poucos segundos, o coagulante seja uniformemente distribuído por toda a massa d’água. Nesta câmara tem-se uma agitação muito intensa, promovida por agitadores, ou devido à própria hidrodinâmica em alguma parte da ETA. Vamos então conhecer alguns tipos de câmaras de misturas e como funcionam? 1. Câmara de Mistura Rápida O sulfato de alumínio ao ser colocado em contato com Leia mais