Tratamento de Esgoto

5 (3)"> Odor na ETE, como lidar com esse incômodo? <span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

Odor na ETE, como lidar com esse incômodo?  5 (3)

3 minutos Antes de tratarmos sobre esse assunto, é válido ressaltar que plantas bem projetadas e bem operadas tem esse incomodo mitigado. Posto isso, agora sim vamos a questão do odor!  Ah, antes é bom lembrar que odor não é um problema até os vizinhos reclamarem! Assim, o controle de odor é um fator importante que afeta não só o desempenho da ETE como também  a relação com a comunidade.  Os odores provenientes de estações de tratamento de efluentes, principalmente os domésticos, podem ser Leia mais

5 (2)"> Tratamento Terciário e a Desinfecção em Efluentes <span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (2)</span></span>

Tratamento Terciário e a Desinfecção em Efluentes  5 (2)

7 minutos Nem sempre contemplado em todos os sistemas, mas importante etapa complementar, o tratamento terciário dos efluentes visa reduzir ainda mais os orgânicos, nutrientes, turbidez, os metais e os patógenos. O foco aqui é o “polimento” desse despejo.   Quer entender como tudo isso funciona? Então vamos lá!  A maioria dos processos terciários envolve algum tipo de tratamento físico-químico, como coagulação, filtração, adsorção com carvão ativado, osmose reversa e desinfecção.  Esses tratamentos terciários podem incluir diversas etapas que vão depender do tipo de poluição do Leia mais

4.3 (3)"> Lagoas de estabilização: vantagens e desvantagens<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--half-highlight js-rmp-remove-half-star"></i> <span>4.3 (3)</span></span>

Lagoas de estabilização: vantagens e desvantagens 4.3 (3)

9 minutos Um acaso que deu certo, funcionou e ainda funciona bem em muitas situações! As lagoas de estabilização. A origem  Certamente você nunca imaginou que um processo de tratamento de efluentes tenha sido concebido por obra do acaso.  Sim, de origem acidental as primeiras lagoas de estabilização surgiram em 1924 na Califórnia e 1928 na Dakota do Norte.  Há séculos, existem lagoas naturais ou artificiais, de origem acidental, que recebem despejos e realizam fenômeno de depuração dos efluentes.  No caso de Santa Rosa Leia mais

5 (5)"> O processo de equalização no tratamento de efluentes<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (5)</span></span>

O processo de equalização no tratamento de efluentes 5 (5)

9 minutos Como superar os problemas operacionais advindos das variações que são observadas na vazão e nas características físico químicas na maioria dos efluentes líquidos, principalmente os industriais? Com um tanque de equalização isso é possível!  Fornecer vazão e cargas regulares para um processo é importante para manter a boa performance do tratamento.  Embora seja comum estações de tratamento de efluentes domésticos receberem cargas hidráulicas e orgânicas muito estáveis, outros sistemas enfrentam grandes oscilações diariamente.  As bacias ou tanques de equalização (EQ) são projetados para amortecer Leia mais

5 (3)"> Para que serve o Jar Test e como usar?<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

Para que serve o Jar Test e como usar? 5 (3)

3 minutos Certamente já ouviu falar sobre ele correto? Mas mesmo operando uma estação de tratamento nunca utilizou ou utiliza pouco, ou ainda tem dúvidas de como ele pode te ajudar na condução do processo? Então leia até o fim! O que é Jar Test? Para que serve e como usá-lo na sua ETE? Você como tantos outros colegas já se deparou com problemas de sedimentabilidade do lodo, coagulação-floculação ineficientes ou coisas do tipo que lhe deixaram transtornado. Pois é, esse tal Jar Test Leia mais

5 (1)"> 4 Dúvidas comuns sobre o programa de capacitação em tratamento de efluentes<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

4 Dúvidas comuns sobre o programa de capacitação em tratamento de efluentes 5 (1)

7 minutos Você sabia que um dos maiores desafios do setor de saneamento e meio ambiente é encontrar profissionais qualificados? Segundo o plano nacional de saneamento lançado em 2014, o custo para universalizar os quatro serviços (água, esgoto, resíduos e drenagem) é de R$ 508 bilhões entre 2014 e 2033. Já para a universalização de água e esgoto, o custo será de R$ 303 bilhões. Mas não basta construir uma estação de tratamento de água e esgoto por exemplo se não temos profissionais capacitados Leia mais

5 (3)"> 4 motivos pelos quais sua ETE apresenta perda de sólidos e queda de eficiência<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (3)</span></span>

4 motivos pelos quais sua ETE apresenta perda de sólidos e queda de eficiência 5 (3)

5 minutos O pesadelo do time em uma planta de tratamento de efluentes é se deparar do dia para a noite com uma situação como essa: perda de sólidos no decantador secundário, e olha, já vamos logo avisando que de nada adianta “bater uma água” na superfície para tentar limpar ou conter a situação, é como chover no molhado. Embora o processo de lodos ativados seja de extraordinária eficiência, problemas existem desde da sua criação, há mais de cem anos. Então vamos direto ao Leia mais

5 (1)"> Estabelecendo paradigmas e novas percepções na operação de ETE’s<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

Estabelecendo paradigmas e novas percepções na operação de ETE’s 5 (1)

2 minutos Tentativa e erro é um método de resolução de problemas, mas não é o único.E já falamos sobre isso! Conheça aqui o guia de solução de problema em tratamento de efluentes que elaboramos para te ajudar no desafio do dia a dia operacional! Estabelecendo paradigma É um termo de origem grega, “parádeigma”, que significa modelo ou padrão. Num sentido mais amplo corresponde a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação. São as normas orientadoras de Leia mais

5 (2)"> Livros sobre tratamento de efluentes que não podem faltar na sua ETE<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (2)</span></span>

Livros sobre tratamento de efluentes que não podem faltar na sua ETE 5 (2)

5 minutos Ler um post, baixar um e-book já fazem parte do nosso cotidiano, e até ajudam muito nessa rotina alucinante e sem tempo na qual todos nós vivemos. Mas há momentos em que necessitamos de conteúdo mais denso, menos superficial e não há como escapar dos velhos e bons livros, em tratamento de efluentes temos excelentes opções, leitura obrigatória para qualquer profissional que se aventure na vida de herói do saneamento! Que tal aproveitar o momento e colocar alguns deles na sua “lista Leia mais

5 (1)"> 10 coisas sobre saneamento que você não sabia<span class="rmp-archive-results-widget "><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i><i class=" rmp-icon rmp-icon--ratings rmp-icon--star rmp-icon--full-highlight"></i> <span>5 (1)</span></span>

10 coisas sobre saneamento que você não sabia 5 (1)

3 minutos Entre os muitos desafios enfrentados no Brasil, a questão da garantia do saneamento básico é um dos mais desafiadores. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase dois milhões de domicílios no País ainda não tem abastecimento de água adequado. Além disso, ainda segundo o IBGE, mais de 1,5 milhão de residências ainda não possuíam banheiros e, sequer, sanitários. E, pasmem, mais 7 milhões de residências lançam seus dejetos não ambiente, ou seja, de forma inadequada e extremamente prejudicial. 10 coisas sobre Leia mais