Respirometria como solução de problemas em estações de tratamento de efluentes

Respirometria como solução de problemas em estações de tratamento de efluentes

Tempo de leitura: 3 minutos

Um dos aspectos mais importantes no desempenho de uma ETE diz respeito a própria rotina de controle e operação realizada pela equipe técnica.

É bastante oportuno que ocorra um perfeito conhecimento do processo de tratamento em questão, e também uma eficiente estratégia de controle e monitoramento, e é ai que a respirometria em estações de tratamento de efluentes é fundamental, veja porque.

Em um sistema de tratamento de efluentes, é valioso prever como as mudanças operacionais, tais como incrementos de cargas, efluentes não domésticos ou substratos de qualquer natureza podem afetar a ETE. Também é importante determinar as frações biodegradáveis ​​dos substratos ou o alimento ideal para proporção de massa ativa (A/M) e idade do lodo.

Esse conhecimento nos permite tomar melhores decisões operacionais, minimizar transtornos, previnir eventos críticos, queda da eficiência do processo e mitigar custos operacionais.

A respirometria

A respirometria é a uma das técnicas que pode auxiliá-lo nessas ações, principalmente por se tratar de uma análise em tempo real.

Respirometria é uma ferramenta prática que nos permite realizar estudos que visam avaliar e otimizar o desempenho da planta de tratamento. O Teste respirométrico avalia os efeitos de aditivos químicos e biológicos na ETE.

Sabemos que a DQO (demanda química de oxigênio) é a alternativa de controle frequentemente utilizada na maioria dos processos, o resultado demanda de 2 a 3 horas para ser obtido.

Porém, essa não parece ser uma medida que consiga contornar todos os possíveis problemas operacionais de uma ETE.

Muitas vezes, para o bom funcionamento, a rapidez de resposta dos métodos empregados na análise é de grande importância. Em várias situações, mesmo uma análise de laboratório de 2 horas, não tem aplicação prática para o controle, pois esse intervalo de tempo é suficiente para provocar danos sem que nenhuma providência possa ser tomada.

Da mesma forma, a DBO (demanda bioquímica de oxigênio) não é parâmetro de controle de processo, uma vez que seu resultado só pode ser obtido somente após 5 dias, período de incubação da amostra.

Em muitos casos, a determinação da fração de substrato rapidamente biodegradável é de fundamental importância operacional, principalmente nos processos de remoção biológica de fósforo e nitrogênio.

Assim, enfatiza-se a necessidade de se obter formas alternativas que forneçam, de maneira rápida e segura, as características do afluente à ETE, em particular de sua fração rapidamente biodegradável.

Como alternativa, a respirometria, entendida como a medida da variação da concentração de OD (oxigênio dissolvido) ao longo do tempo de um reator, pode significar uma solução, uma vez que permite uma análise imediata do processo de tratamento.

Vantagens da técnica:

  1. Monitorar o desempenho diário do processo;
  2. Identificar toxicidade;
  3. Determinar a viabilidade de substratos afluentes ao processo;
  4. Identificar condições de inibição ou sobrecarga no sistema.

Quer conhecer mais sobre essa ferramenta operacional poderosa? Aprender na prática como ela pode auxiliá-lo na sua rotina operacional? Teremos um tópico dedicado a esse assunto no Curso de Métodos e Análises para Controle Operacional.

[Planilha Grátis] Baixe aqui a planilha de respirometria.

E, se tiver qualquer dúvida, entre em contato!